Segredos de Agenda

Eu tomo três banhos por dia, caso contrário sinto que há algo tão errado que o meu mundo pode acabar e é difícil até mesmo de respirar. Porém dois banhos são aceitáveis, ainda é possível dormir. A culpa é menor do que se for um só.

Entretanto hoje eu preferi não sair da cama. Não trocar a roupa de ontem e deixar o chuveiro com seus poderes de limpeza física e espiritual desligado. Hoje eu preferi não viver, mas continuo aqui, talvez por um exagero nos remédios que me acalmam.
Deixar o meu corpo tão cansado quanto a minha mente é a melhor forma de prevenir certos impulsos autodestrutivos, mas não é cura para a solidão que me destrói. Não resolve os problemas que me colocaram nessa situação, e então eu como, e como muito.

Doces, salgados, misturas incomuns. Eu como na esperança de preencher o vazio, de desviar o foco e permitir que uma dor física me faça deixar de pensar a respeito daquilo que gira dentro da minha cabeça e me estraga por inteiro.

Eu como até sentir que vou explodir. Ai me escondo no banheiro com música alta e coloco tudo para fora até a minha cabeça doer, até a garganta arder e eu sentir que não há mais forças para continuar. Só que eu continuo. Do banheiro a geladeira, ao quarto e ao banheiro novamente, continuo até o esgotamento não me permitir mais nenhum passo e eu finalmente me sentir a vontade por ter feito o que sei fazer. Por ter acertado na minha falha. Uma falha que dói, mas não sangra. Uma falha que ninguém vê e que me faz pensar que talvez não seja tarde demais para voltar atrás. Livrar o meu corpo de todos os erros que o submeti por acreditar que comer seria seguro, que poderia ser uma solução. Porém 36kg é uma tristeza mais feliz.

Certos tipos de dor são o que eu chamo de lar. Meu porto seguro me machuca, mas é o único lugar para o qual posso ir enquanto espero que a força volte e por mais um dia, atrás de cicatrizes, visíveis ou não, eu encontre forças para continuar.

Porém, quando a escuridão da madrugada chega , depois de um dia vazio, eu ainda me pergunto: Vale apena continuar só para saber o que vem depois?

meu alface favorito

meu alface favorito

Maio 2015 – Março 2016

7cccdd86e361a713cef8cc4c4bf78106

Visões equivocadas por trás dos meus olhos embaralhados.
Imagem quase turva.
Abandonada.

Há um ano atrás

Álcool e calmantes fazem com que o meu cérebro funcione em uma frequência diferente e assim eu consigo abrir a minha mente e falar de um tempo que machuca o meu coração.

Há um ano atrás eu não desejava que o dia terminasse sem que eu me terminasse também. Há um ano atrás lençóis brancos me acolhiam e enfermeiras batiam na minha porta de 3h em 3h. Comprimidos esmagados dentro de seringas. Batimentos marcados no papel. Diuréticos e laxantes em caixas de lápis de cor. Segredos guardados por paredes cor de gelo.

Não foi o fim quando eu desejava que tivesse sido.
Eu não fui longe o suficiente.
Eu não matei o meu corpo.
Eu não morri de fome.
Eu não me matei.

Fantasmas sentavam a beira da minha cama de hospital e acariciavam os meus cabelos bagunçados, mas não diziam que tudo ficaria bem. Eles culpavam-me por não ter ido até o fim, por não ser o que eles eram.
Fantasmas me esperavam do outro lado.
Porém eu não segui a luz.
Desviei-me do caminho, dei meia volta no túnel da escuridão.
Eu abri olhos sem poder enxergar e acreditei em palavras que não eram minhas, em guias que desconheciam minhas angustias e não sabiam se eu realmente poderia sorrir.

Há um ano atrás eu fiz uma escolha quando e eu não soube o que escolher.
Eu não sabia quem era ou quem poderia ser. Eu ainda não sei quem sou, mas….
Há um ano atrás eu escolhi estar aqui.

CAMA DA HOSPITAL

Foto do hospital há um ano atrás